Crônica: Sentir


Eu estava desfazendo as malas quando peguei aquela blusa listrada que usei na última noite em que estivemos juntos e jantamos naquele restaurante mexicano. Sem nem pensar, aproximei meu rosto do tecido e procurei teu cheiro misturado ao meu. Fui encontrá-lo na manga do braço direito, aquela parte da roupa que fica enlaçada no seu pescoço quando te abraço por cima, absorvendo seu calor e o seu cheirinho tão reconfortante. Pousei a blusa em cima da cama do meu quarto e me peguei pensando que o seu perfume é quase nada sem você. É apenas lembrança, vestígio, mais saudade para os meus dias solitários e de muitos chocolates. O seu cheiro está aqui assim como a sua pele, seu cabelo, sua boca e seu xadrez deveriam estar também. Teus olhos deveriam me olhar sorrindo pra você, seus braços me envolvendo e me proporcionando a boa sensação de pertencer a alguém. 
Mas eu aceito as coisas como são, como decidimos enfrentar e viver. Aceito essa vida de viagens e procura por promoções, eu abraço esse amor viajante e coleciono idas e vindas. Meu coração sempre vai bater mais rápido quando for te buscar no aeroporto e sempre borbulharão expectativas para ouvir a sua voz todas as noites antes de dormir. E os próximos meses só vão terminar e começar depois do nosso encontro regular, como aconteceu com os anteriores. E de trinta e trinta, eu vivo de contagens regressivas. 
Com dificuldades ou não, independente da distância ou circunstâncias, gostar sem medir é sempre válido. É tudo aquilo que a gente corre atrás, faz planos e sonha. E as pedras do caminho se tornam divisoras de águas, entre aqueles que eram para ser e os que nunca foram amor. E também serão impulso para quem, assim como nós, vê a distância ou qualquer outra coisa ruim como algo que nos une mais ainda, num sentimento que cresce de uma forma genuína, decidida e sem acomodamentos. Sentir, ainda mais sendo por você e com você, não é um simples ato, é um presente da vida. 


   

14 comentários:

  1. Nossa Lay, que texto maravilhoso.
    Dá até pra imaginar como as coisas vão acontecendo rr.
    Um beijão
    juustmaay.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Você quem escreveu, Lay?? Maravilhoso. Refletir e imaginei n coisas. Amei.

    www.antenantenada.com

    ResponderExcluir
  3. Amei a cronica! Muito bem escrita e reflete bem o que é sentir.

    www.cindereladementira.com.br

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pela crônica, muitooo linda, bem reflexiva, bjs.
    www.girlsteensgn.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Adoreiii.... A cada dia você está escrevendo melhor... Muito lindo o texto!
    E amei esse trecho: "E as pedras do caminho se tornam divisoras de águas, entre aqueles que eram para ser e os que nunca foram amor."
    Parabéns Lay! ;)

    ResponderExcluir
  6. Eu já comentei no face mas pra deixar registrado aqui também: eu achei lindo seu texto, ele passa uma veracidade linda e mágica, é possível sentir-se dentro da situação e viver um pouquinho na pele de um outro alguem.
    Parabéns. Lindo mesmo. Beijos. Luli

    ResponderExcluir
  7. Deu para sentir dentro do texto.
    Muito lindo.
    Beijos, Aline
    http://24diasdeprimavera.wordpress.com

    ResponderExcluir
  8. Linda postagem Lay. Imaginei um momento como esse de pegar aquela blusa e sentir aquele cheiro..o cheiro do momento...adoro!

    :**

    ResponderExcluir
  9. Que crônica linda, você escreve muito bem! Amei o blog.
    Beijos | www.doseujeito.tk

    ResponderExcluir
  10. Você escreve muito bem, consegui sentir tudo como se fosse eu passando por aquilo, realmente tocante.
    http://algumasprimaveras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Que crônica linda, Lay. Sua escrita é super envolvente, fez com que eu me sentisse dentro da cena.

    ResponderExcluir
  12. Uau, belo texto! Adorei a escrita, o jeito como você usa as palavras fica bem lindo. Adorei!

    Beijoos, Ana Carolina
    simplesglamour.blogspot.com
    Instagram e Twitter: @simplesglamour

    ResponderExcluir
  13. Que meigo *-*

    propria-mente.blogspot.com.br

    ResponderExcluir